Custo da Não Qualidade nas Empresas

Custo da Não Qualidade nas Empresas

Custo da Não Qualidade nas Empresas

* Por Mario Sergio Lavorenti

Foto_LavorentiMuitos falam sobre a importância em manter um sistema de Gestão da Qualidade. Sob este aspecto, podemos classificar as empresas que buscam sistemas como este em dois tipos: aquelas de necessitam da certificação para legitimar a necessidade de um cliente específico (o famoso “prego na parede”), e aquelas que de fato implementam um sistema de gestão da qualidade para melhoria contínua de seus processos visando tornar mais competitiva, eliminando desperdícios, ineficiências e retrabalhos.

No entanto, percebe-se a necessidade de mensurar, em temos financeiros, os frutos destes esforços. Ou seja, quanto a empresa está economizando com a eliminação das não conformidades?

Uma maneira de mensurar tais resultados é a análise dos custos da não qualidade, um excelente instrumento na avaliação e definição de metas de redução de custo.

Os custos da não qualidade estão relacionados a falhas internas, refugos, retrabalhos, ações corretivas, erros de projetos, falhas na produção, acabamentos mal feitos, desperdícios, maus planejamentos e entre outros.

Segundo Philip Crosby, responsável pelo conceito Zero Defeito, a ideia de que os erros são inevitáveis é falsa, pois compete aos gestores, por meio de suas atitudes e práticas de trabalho, desenvolver o compromisso com a prevenção e eleger o objetivo “Zero Defeitos”, corroborando com a ideia de identificarmos e mensurarmos tais custos com o objetivo de criar ações para saná-los.

Vamos fazer uma analogia: pense na empresa onde trabalha e pergunte-se quanto é gasto com o custo da não qualidade. Provavelmente, muitos não saberão responder.

Este indicador é extremante importante para a sobrevivência das empresas, pois quando mexemos no bolso é que verificamos o tamanho real do problema. Mas para podermos monitorá-los, precisamos identificar todos os custos da não qualidade nos processos da empresa e realizar um estudo de quanto cada um destes desperdícios custou à organização.

Após o levantamento dos custos, é interessante utilizar um Pareto para analisar quais custos de não conformidades impactam mais o seu negócio. Esta ferramenta é importante também para não perder o foco, pois se o responsável não direcionar os seus esforços, provavelmente não conseguirá o resultado almejado. Chamamos isto de “definição de escopo”, muito utilizado pelos profissionais de black-belt.

Muitas vezes para alcançar a diminuição das não conformidades é necessário investimento, faça uma análise de investimento x resultado obtido e após a implantação. Analise os indicadores e quantifique financeiramente sua economia. Bom trabalho!

………………………………………………………

*Mário Sérgio Lavorenti Diretor de Gestão / BPM – Gauss Consulting
Categories: Destaques, Legislação

Sobre o Autor

revistaalimentare

A Revista ALIMENTARE – Com o foco na Gestão da Qualidade e Segurança dos Alimentos e Bebidas (GQSAB) - é direcionada para profissionais, especialistas, pesquisadores e dirigentes da Cadeia Produtiva de Alimentos e Bebidas: Indústria de Alimentos & Bebidas, Food Service e Varejo de Alimentos. Tem como missão levar aos leitores as informações mais atualizadas e confiáveis, que possam contribuir para o melhor desempenho e competitividade dessas atividades.

Comentários

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*