Quitosana protege os alimentos

PROTEGIDAS PELA QUITOSANA

Pesquisa encontra método que reduz efeitos oxidativos das carnes

 

quitosana

Embalagens revestidas de quitosana promoveram resultados positivos em relação a oxidação da carne de frango (Créditos: Divulgação)

Enquanto algumas pessoas estão modificando suas refeições e eliminando as carnes das dietas alimentares, outras se recusam a pensar no assunto e descartam a possibilidade. Para esses, uma dica importante é se atentar a qualidade nutricional do produto, evitando assim, o consumo do alimento em processo de deterioração e riscos à saúde.

Foi pensando nesse problema que o equatoriano Juan Sebastian Serrano, durante seu mestrado na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ), adotou como proposta determinar um método de minimizar os efeitos oxidativos das carnes. “Para realizar a pesquisa, encontrei uma maneira de desenvolver  embalagens ativas a partir de quitosana para produtos cárneos, com a incorporação de extratos de resíduos agroindustriais brasileiros como fonte de antioxidantes naturais”, contou o pesquisador.

A quitosana, sendo um polissacarídeo que age como uma boa matriz filmogênica,  é extraída do exoesqueleto de insetos ou crustáceos e foi o agente fundamental da pesquisa de Juan, que adotou como objeto de estudo a carne de frango crua. “Avaliei química, física e microbiologicamente a carne com aplicação de extratos de película de amendoim e pimenta rosa incorporada na massa da carne e no filme ativo de quitosana como revestimento. Esses elementos contribuíram para a redução da oxidação lipídica e da proliferação bacteriana”, relatou.

O estudo, orientado pela professora Carmem Contreras Castillo, do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da ESALQ, propõe a substituição de antioxidantes sintéticos por antioxidantes naturais na embalagem dos produtos, favorecendo a maior durabilidade do alimento. “No mercado não é comum encontrarmos produtos que utilizem esse tipo de filme para melhorar a qualidade das carnes, portanto, acredito que a pesquisa poderá ser uma alternativa à indústria alimentícia”, finalizou Juan.

………………………………………………………..

Fonte: Assessoria de Comunicação (Acom) / USP ESALQ – Ana Carolina Brunelli, comunica-esalq@usp.br

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *